Aeroporto facilita a vida do turista no Ceará

Ver as delícias da região de Jijoca de Jericoacoara, no litoral do Ceará, ficou mais fácil. Um novo aeroporto, que funciona no município vizinho de Cruz, desde junho do ano passado, facilitou o acesso a um dos maiores cartões-postais do País.
Antes, o turista era obrigado a ir até a capital, Fortaleza, e encarar cerca de 300 km de carro ou van, em uma viagem que chegava a durar até cinco horas. Agora, o visitante leva apenas cerca de 40 minutos para chegar do aeroporto de Cruz ao centro de Jeri, apelido da cidade.
“O traslado entre Fortaleza e Jericoacoara até tinha visões bonitas, mas era cansativo e fazia com que o turista perdesse um dia da viagem. O aeroporto tornou o passeio mais prático”, conta o administrador Fabio Ferrara, 42 anos. Ele visitou a cidade em 2012 e voltou em novembro do ano passado, já com o novo aeroporto em funcionamento. “Jeri continua linda e interessante para passeios. Mas ganhou um bom estímulo para as visitas”, complementa Ferrara.
O município já colheu alguns frutos desse investimento. O site da revista americana “Forbes” colocou Jijoca de Jericoacoara como um dos 15 lugares mais legais para visitar em 2018, ressaltando as melhorias oferecidas pelo novo aeroporto e os voos fixos que a cidade tem vindos de São Paulo. Eles saem tanto do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (Grande São Paulo), quanto de Congonhas, na zona sul da capital.
Os novos turistas trazidos pela comodidade no transporte viverão a experiência do contato com a natureza em um de seus estados mais puros.
“A Pedra Furada, por exemplo, é algo que lembra mais uma escultura. Junte isso à visão daquela água cristalina e você terá uma das imagens mais lindas que alguém pode ver”, relata o contador José Alberto Almeida, 46 anos.
Ele também ressalta as maravilhas das praias. “Visitei as praias de Pedra Furada e a Malhada. Elas têm bastante vento e atraem esportivas, mas, mesmo assim, é possível encontrar espaços com águas tranquilas e temperaturas gostosas.”
A Pedra Furada não é a única curiosidade de Jeri. Há também a Árvore da Preguiça, que, pela ação do vento, cresceu deitada.