As novas tendências de consumo

Embora os padrões de consumo estejam em pleno processo de mudanças e setores como o e-commerce estejam assumindo um papel cada vez mais importante nas estratégias de atuação das principais marcas de luxo do mundo, o varejo ainda tem um valor inestimável dentro das operações globais. E não existe forma melhor de identificar as novas tendências de consumo do que analisar o setor.

O investimento de marcas icônicas como a Burberry na construção de espaços que oferecem aos clientes experiências que vão muito além da simples aquisição de um produto (imagem em destaque), comprovam que o segmento varejista ainda é forte.

Por isso, de acordo com os debates realizados durante o 1º Super Fórum, evento realizado em Nova York que tinha como objetivo debate os rumos do mercado, confira as oito maiores tendências do varejo mundial.

Novas perspectivas

Um importante fenômeno que está tomando conta do mundo e deve ser observado é o e-commerce crossboard. O consumidor brasileiro compra cada vez mais de outros países, principalmente da China. No entanto, os varejistas brasileiros ainda vendem muito pouco diretamente ao consumidor final no exterior por meio de plataformas digitais.

Criptomoedas

O processo de pagamento é um ponto de atrito do varejo e uma prática que deve desaparecer ou, ao menos, se tornar cada vez mais imperceptível. A atenção do varejo deve se voltar para o conceito de blockchain. Por enquanto, apenas as criptomoedas fazem suas transações por meio das blockchains. Trata-se de um meio digital de autenticação e validação de documentos, uma plataforma dentro da internet que vai permitir as transações entre empresas e pessoas com nível de custo mais baixo e facilidade infinitamente maior.

Bespoke retail

Traduzindo o termo literalmente do inglês, bespoke significa feito sob medida. Contudo, o conceito vai além, até um relacionamento cada vez mais personalizado. Um alerta importante deste insight é que antigamente o consumidor é quem perseguia os produtos, porém, a partir de agora, o produto é quem precisa perseguir o seu consumidor.

Tecnologias emergentes

Neste tópico, um dos destaques são os robôs de inteligência artificial, a nuvem e os aparelhos com comando de voz, tecnologias nas quais as fabricantes de smartphones e até mesmo empresas de outros ramos estão investindo alto.

Do ambiente virtual para o varejo físico

A Amazon tem sido um símbolo da inovação do varejo e, por isso, mereceu um insight apenas com o que ela tem desenvolvido. A empresa diversifica cada vez mais seu mix de produtos e serviços, o modo como se relaciona com o consumidor oferecendo uma experiência de baixo atrito e a chegada de sua rede de lojas físicas. Ela tem se consolidado cada vez mais como uma inspiração, ou, pode-se até afirmar, uma pressão na concorrência para a inovação.

Transformação digital

É importante lembrar que o digital não se limita apenas à venda, trata-se de um universo de possibilidades infinitas, transformando as empresas em ecossistemas diversificados ultrapassando os limites de sua área de atuação e se transformando em verdadeiras produtoras de conteúdo.

A loja do futuro

A loja física é cada vez mais desafiada pelo meio digital, e ela tem se transformado em algo que mudou a definição do que seria uma “loja”. Não se trata mais como um local para compra e venda, mas um lugar de experiências, aprendizados, lazer, etc. E, retomando o conceito trazido no item 2, diminuindo cada vez mais os pontos atrito com o consumidor.

Liderança digital

Cada vez mais, serão exigidas dos líderes novas funções e habilidades que estejam em sinergia com a transformação digital. Essa transformação não é feita pela tecnologia, mas sim por pessoas que sejam capazes de viabilizar de forma eficiente essa transição.