As reinvenções do mercado de luxo

Acompanhar a história do mercado de luxo é, de sob certos aspectos, acompanhar o caminhar da própria história humana. As novas tecnologias e as tendências de comportamento e os produtos que marcaram época também podem ser claramente percebidos no segmento de alto padrão.

Recentemente, a sustentabilidade é um conceito que ganha destaque tanto através da atuação das marcas quanto como exigência dos clientes. Se, de um lado, as empresas do setor se preocupam em produzir bens com o menor impacto possível ao meio ambiente, por outro os clientes perceberam que cuidar do planeta também pode ser um diferencial de mercado.

Outra das reinvenções recentes do mercado de luxo é o compartilhamento de bens, ou seja, a ideia de utilizar de forma colaborativa bens e serviços de alto padrão. O conceito vem ganhando espaço em todo o Brasil e recentemente o assunto ganhou destaque na imprensa devido ao lançamento na capital gaúcha do serviço de aluguel e marketplace de bolsas de luxo.

Um fato interessante desse novo movimento do mercado, de acordo com Fabiana Denes, uma das sócias da Volpe Luxo Inteligente que oferece essa modalidade de aluguel em Porto Alegre, é que o perfil do cliente é formado em sua maioria por quem possui o interesse sustentável e ecofriendly, ou seja, as questões financeiras não vêm em primeiro lugar. “As pessoas alugam, não porque não têm dinheiro, mas porque querem ter variedade e também se preocupam em um consumo consciente”, afirmou a empresária em uma entrevista recente.

Aliando conceitos modernos como tecnologia, comodidade e, acima de tudo, sustentabilidade, o mercado de luxo demonstra uma enorme capacidade de reinvenção e faz da democratização uma de suas palavras de ordem.