As sete décadas de um ícone da moda

Fazer sucesso no universo da moda e do luxo não é tarefa fácil, imagine manter o sucesso por sete décadas. Para comemorar o 70º aniversário da criação da Maison Dior o Musée des Arts Décoratifs apresenta do dia cinco de julho deste ano até sete de janeiro de 2018 a exposição Christian Dior, Designer of Dreams que convida os visitantes a uma viagem de descoberta através do universo da marca.

Ao todo estão em exibição mais de 300 vestidos de Alta Costura produzidos a partir do ano de 1947. O conjunto das peças se torna um autêntico fio condutor de emoções, histórias de vida, afinidades, inspirações, criações e legados. Os visitantes também poderão conferir a exposição mais abrangente até hoje do ateliê, com moldes de vestidos, fotografias, documentos, ilustrações e diversos acessórios de moda como chapéus, bolsas, sapatos e perfumes.

Christian Dior foi uma figura líder no mundo da moda do século XX, tendo lançado seu New Look e o perfume Miss Dior em sua primeira coleção. O estilista levou a forma feminina em uma direção totalmente nova, relegando a silhueta masculina dos anos de guerra ao passado. Seus vestidos expressaram uma feminilidade moderna, produzindo uma forma caracterizada por curvas fluidas e influência de uma dançarina de balé clássico.

Considerado um amante das antiguidades e objetos de arte, Dior era um colecionador de art nouveau, um decorador fascinado pelo século XVIII e um entusiasta por jardins. Ele se baseou nessas fontes de inspiração para embelezar suas residências privadas e para definir a estética de sua Maison. A exposição mostra que seus vestidos eram cheios de referências a pinturas e esculturas, bem como tudo o que compõe a arte de viver.

A natureza duradoura do espírito Dior também decorre dos diferentes diretores artísticos que continuaram o trabalho do couturier após sua morte em 1957. Uma sucessão de seis galerias é dedicada a essas personalidades, analisando como seus designs contribuíram para uma busca que se mantivesse fiel à visão de Dior sobre Alta Costura. A escolha ousada do jovem Yves Saint Laurent foi seguida pelo compromisso mais racional de Marc Bohan. Em seguida veio Gianfranco Ferré, a dramática era da moda punk de John Galliano, a interpretação minimalista dos códigos por Raf Simons e, finalmente, a escolha de uma mulher, Maria Grazia Chiuri e sua visão feminista da moda.

Um dos destaques da exposição é o salão de baile com uma série de vestidos de festa verdadeiramente suntuosos, incluindo várias criações célebres, vistos juntos pela primeira vez em Paris. Alguns deles foram usados por clientes famosas que ajudaram a construir o sucesso da Maison Dior, incluindo a Princesa de Mônaco, Lady Di, Charlize Theron e Jennifer Lawrence.