Cinco razões para não mexer nas espinhas

As espinhas são temidas principalmente pelos jovens, já que a acne se manifesta mais comumente na puberdade. No entanto, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), a acne não é exclusiva dessa faixa etária, podendo atingir jovens e adultos com mais de 40 anos. Quando elas surgem o desespero é tão grande que a maioria das pessoas acaba caindo no erro de espremê-las.

“Quando há uma tentativa de remoção da acne ou espinha, como é popularmente conhecida, sem o auxílio de um especialista, o quadro de inflamação pode se agravar, o aspecto da lesão pode piorar, há um aumento do risco de cicatrizes indesejáveis e de infecções, entre outros fatores”, explica a dermatologista Andréa Rosato.

“A limpeza de pele consiste na remoção dos comedões (cravos), enquanto as espinhas inflamadas não devem ser manipuladas durante este procedimento”, complementa a dermatologista. Além disso, ela deixa algumas recomendações gerais em relação aos cuidados da pele com acne. Confira:

1. Evite manipular as lesões

A acne, ou espinha, como é conhecida popularmente, é uma dermatose com várias causas, sendo uma delas a inflamação. “Não devemos mexer em lesões inflamadas por conta própria. Além de piorar o quadro de inflamação, o local poderá ficar mais sensível e poderá haver o aparecimento de manchas”, explica Andréa.

2. Sobre as manchas e cicatrizes

A manipulação pelo próprio paciente ou conhecidos, quando não treinados, pode levar a complicações, como manchas e cicatrizes. “É fundamental procurar orientação médica logo no início do quadro. O tratamento precoce ajuda a amenizar a acne e a prevenir o aparecimento de cicatrizes e manchas”, comenta a dermatologista.

3. Evite que haja uma piora da acne

A “espinha” que for removida de maneira inadequada pode evoluir para um quadro infeccioso, agravando o estado inicial e, assim, poderá haver necessidade de cuidados específicos.

4. Confie nos profissionais treinados

Existem profissionais, geralmente esteticistas, capacitados para realizar a remoção dos comedões (conhecidos como cravos) de maneira correta. “A limpeza de pele, quando realizada por um profissional treinado e de confiança, tem papel importante para ajudar no controle da acne minimizando o risco do aparecimento das marcas, além de auxiliar no tratamento dermatológico proposto em casos específicos”, orienta a dermatologista.

5. Prevenção é o melhor caminho

As cicatrizes decorrentes da acne possuem tratamento, porém, em alguns casos pode ser necessário um tratamento longo, com custo elevado e com resultados limitados. “O ideal é prevenir as cicatrizes buscando um tratamento precoce e correto, além de evitar a manipulação das espinhas de modo inadequado”, complementa a dermatologista.