Comerciante cola cabides em expositor para evitar furtos no Centro: ‘é bandido toda hora’

ads

Comerciantes da Avenida Calógeras, especialmente na quadra entre a rua Marechal Rondon e a rua Dom Aquino, no Centro de Campo Grande, estão enfrentando onda de violência. O local era para ser um corredor cultural, mas se tornou reduto de usuários de drogas e bocas de fumo. Alguns lojistas improvisam e chegam a colar cabides no expositor para evitar furtos.

[Colocar ALT]
(Foto: Leonardo França/Midiamax)

Abandonado pela segurança pública: é como define o dono de uma loja de roupas da região. Tonny Conrado, 37 anos, conta como os ladrões estão agindo para furtar os estabelecimentos.

"Vem dois, três, um fica te distraindo e o outro furta", lamenta o comerciante. Tonny diz que está insustentável a situação: "É um descaso, estamos abandonados. É bandido toda hora", reclama.

Ele contou que os criminosos arrombaram um estabelecimento ao lado do seu comércio, mas que o local está fechado. Os ladrões teriam entrado no local e quebraram um cano e deixaram vazando água. A surpresa foi a resposta da polícia que, quando acionada, informou que não pode fazer nada.

A dona de uma loja de roupas, Neuza Beraldo, de 58 anos, fala que os comércios são alvos dos criminosos em plena luz do dia. "A gente é roubada na cara dura, de celular a roupa", afirma.

[Colocar ALT]
(Foto: Leonardo França/Midiamax)

"Ficam cuidando o tempo todo, é um descuido e já era", ressalta a empresária. Ela enviou um vídeo ao Jornal Midiamax, em que mostra um ladrão aproveitando um minuto de descuido e pegando uma peça de roupa. Nas imagens, é possível ver que a mulher está arrumando as roupas e o criminoso passa, olha para a loja, se aproxima da porta, puxa uma roupa e foge do local.

Neuza conta que são vários problemas na região, um deles é o fato dos pedintes que entram nas lojas e pedem dinheiro para os clientes, que são xingados e ameaçados quando não atendem ao pedido. Também tem o problema das notas falsas que circulam entre os andarilhos da região.

"Chegam e compram uma coisa bem baratinha e levam o troco e quem fica com o prejuízo é a gente", reclama. A comerciante faz uma ressalva para as autoridades: "A gente paga imposto e não tem como trabalhar".

Ela lembra que a região era para ser um corredor cultural, mas que é cheio de usuário, morador de rua e traficantes. "Nada de cultura", lamenta.

ads
ads

Você pode gostar

ads
Nas noticias
Carregar Mais
ads
×

Powered by WhatsApp Chat

× Fale conosco pelo whatsapp!