Fotógrafo registra ‘passarinho’ e descobre após publicação que era uma das menores corujas do mundo

ads

Um fotógrafo se surpreendeu após fazer o registro de um pequeno passarinho e descobrir, depois de publicar na internet, que se tratava de uma coruja Caburé, considerada uma das menores espécies do mundo.

De acordo com o responsável pelas imagens, Silas Ismael, o encontro com a ave, publicado em uma rede social nesta quarta-feira (4), foi feito no início deste mês, entre as cidades de Aquidauana e Corumbá, no Pantanal de Mato Grosso do Sul.

 

"Essa foi corujinha foi incrível. Literalmente ela cabe na palma da mão" momento muito bacana da minha carreira. 

Silas conta que acompanhava uma equipe de TV durante uma gravação, quando logo no início da manhã, a campo, notou a ave em cima do tronco de uma cerca:

 

"Eu estava com a minha câmera e quanto a vi, achei que era uma passarinho. Depois que publiquei o material nas minhas redes sociais, um especialista em aves, explicou de que espécie se tratava", e ainda acrescentou:

"É um registro importante para minha carreira. Comecei recentemente a fotografar animais, e conseguir esse flagrante, de uma das menores corujas do mundo, me deixa extremamente feliz", finaliza.

 

De acordo com o especialista em aves e também biólogo, Thauan Thomaz, a coruja Caburé geralmente chaga ao tamanho máximo de 17 centímetros. Se comparar esta, com a coruja buraqueira (Athene cunicularia) que é a mais comum, vista nas cidades, as fêmeas desta última espécie podem chegar a 26 centímetros e os machos, até 28 centímetros.

Thauan ainda reforça que a coruja Caburé que pode ser encontrada em várias regiões do Brasil, tem uma característica muito peculiar, que são os falsos olhos atrás da cabeça que permite enganar os predadores.

Já o biólogo Edu Fragoso, explicou que a Caburé, é pouco maior do que a Caburé-miudinho - encontrada principalmente na Mata Atlântica e a Caburé-de-pernambuco (bem ameaçada de extinção) que chega a 14 centímetros de comprimento, no máximo:

 

"No caso da Caburé, que tem o nome científico Glaucidium brasilianum, seria a terceira menor espécie de coruja do Brasil"

 

Ainda de acordo com Fragoso, as corujas Caburé se alimentam de pequenos animais e dificilmente são encontradas em áreas muito urbanizadas.

ads
ads

Você pode gostar

Vídeos Quentes
ads
Nas noticias
Carregar Mais
ads
×

Powered by WhatsApp Chat

× Fale conosco pelo whatsapp!