Pets devem ficar protegidos do frio

Animais também são sensíveis às mudanças de temperatura e precisam de cuidados que vão além de roupinhas para mantê-los aquecidos no frio. A preocupação inclui alimentação, passeios e higiene. Além disso, as baixas temperaturas deixam os bichinhos vulneráveis a algumas doenças, como problemas respiratórios e viroses.
Comum nessa época, a chamada tosse dos canis provoca tosse, espirro, secreção nasal e ocular e prostração. É uma gripe, que se espalha com facilidade e com chance de evoluir para pneumonia, mas que pode ser prevenida com dose anual de vacina.
A transmissão ocorre por meio de vírus pelo ar, secreções respiratórias, contato direito com outro cão infectado e objetos contaminados. Por isso, mais de um cachorro na mesma casa pode ficar doente ao mesmo tempo. Essa gripe, porém, não atinge os seres humanos ou outras espécies.
Com o tempo seco e a proliferação de carrapatos, outro risco é a erlichiose – ou doença do carrapato. Os principais sintomas são febre, prostração, perda de apetite e hemorragias. Como os sintomas variam de animal para animal, ela pode ser confundida com a cinomose. É uma doença que pode agir silenciosamente e atacar medula e rins lentamente.
Também há prevenção, e exames periódicos são importantes para um tratamento eficaz antes da manifestação da doença, afirma a médica veterinária Carla Berl, diretora da rede de hospitais veterinários Pet Care.
Filhotes e os cães idosos podem sentir mais os efeitos do frio. Dores nas articulações são outro problema frequente nessa época.
Para manter o bem-estar do amigo peludinho, o tutor deve providenciar proteção – roupa, caminha, abrigo – e evitar que ele deite direto no chão gelado. O cuidado deve ser redobrado com animais que vivem em áreas externas, já que eles ficam mais sujeitos às doenças do frio.
Horários de passeios devem ser reavaliados, para dias e horários mais quentinhos. Já os banhos podem ser mais espaçados, diz o veterinário Antonio Geraldo Marquesim, da Norte Dog. “Se não for possível, melhor procurar por serviços especializados de confiança para o banho e nunca expor o animal ao choque térmico”, diz.
A rotina de alimentação não deve ser alterada. O pet deve receber refeição balanceada para aumentar a resistência, afirma o veterinário Jorge Morais, da Animal Place.