Temporada de pipas: araras que sobrevivem não conseguem voar após acidentes

ads

A temporada de s que começa em julho e segue no mês de agosto é também época em que as aves mais sofrem em Campo Grande. Isso porque nem todos querem brincar de forma saudável e utilizam  nas linhas, deixando-as extremamente cortantes.

Com isso, cresce o número de aves, principalmente Araras-Canindé, que são vítimas desse material cortante. Para muitas, o ferimento é fatal. Já as sobreviventes são consideradas ecologicamente sacrificadas, pois dificilmente conseguem retornar à natureza.

É o que explica o médico veterinário e responsável técnico pelo Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), Lucas Cazati. “Por mais que sobrevivam, não conseguem mais voar. Esse é o maior pecado, pois está limitando a espécie”, explicou.

A maioria dos animais que chegam ao Cras estão com ferimentos mais graves e por isso é tão difícil a reabilitação total. “Com sorte chegam com vida. Eles passam por cirurgia, mas a maioria chega com laceração, algumas chegam sem asa e outras vêm com fratura”, detalhou Lucas.

Por não conseguirem ser reinseridos em seu habitat, o destino dessas aves são os zoológicos.

Papagaio encontrado morto enrolado em linha com cerol

Como proceder

Se você encontrou uma ave ferida, o médico veterinário orienta a evitar encostar no animal. “A recomendação é ligar imediatamente para a  [Polícia Militar Ambiental] e aguardar, pois pode ter uma hemorragia. É igual a uma pessoa que cai de moto, por exemplo. Tem que ligar para o socorro e aguardar”, explicou.

Na semana passada, um homem resgatou uma arara que estava ferida por linha de  e estava caída na Avenida Ernesto Geisel. Ele retirou o animal e levou até a casa da irmã para esperar a chegada da .

Nesse caso, para evitar um acidente ou que o animal seja atropelado, o veterinário orienta apenas que a ave seja retirada da avenida e colocada em um local seguro como a calçada, por exemplo.

Arara-canindé ferida com linha de cerol

Linhas clandestinas

Soltar s com  é crime previsto em lei e quem o comete também pode ser enquadrado no artigo 132 do Código Penal, que configura expor a vida ou a saúde dos outros a perigos.

Há também um crime previsto aos pais de crianças e adolescentes que deixam os filhos manusear o , o que consiste em permitir que menores utilizem substâncias perigosas e podem ser responsabilizados a pagar multa no valor de três a 20 salários mínimos.

Guarda recolhe linhas de cerol

Em junho, a prefeitura de Campo Grande sancionou Lei aumentando as multas a quem vende e utiliza essa prática.

Agora, em caso de apreensão de material nos estabelecimentos comerciais, será lavrada multa no valor de R$ 5 mil e, se os produtos forem encontrados com pessoas, a penalidade será de R$ 1 mil.

As denúncias podem ser feitas pelo número 153. Somente no mês de julho, a Guarda Civil Municipal recebeu 198 denúncias de pessoas empinando  utilizando linhas com .

Poder de destruição

 é uma mistura feita com cola e vidro moído e consegue cortar blocos de isopor e até mesmo garrafas plásticas. Já a linha chilena é comprada pronta, tanto em lojas de aviamento quanto em redes sociais. Ela é feita com pó de alumínio e tem o poder de corte quatro vezes maior que o .

O vídeo abaixo mostra uma linha com  que cortou até mesmo o para-choque de um carro.

ads
ads

Você pode gostar

Vídeos Quentes
ads
Nas noticias
Carregar Mais
ads
×

Powered by WhatsApp Chat

× Fale conosco pelo whatsapp!